O RETORNO 
Olá minha amiga Teresa, tudo bem?
 
O tempo passa, e as lembranças permanecem, mas é muito bom estarmos aqui novamente nos comunicando através de cartas. Hoje depois de longos anos da nossa primeira carta, lá pelos anos de 1993 quando você foi morar em San Diego, eu me deparo com minha filha Luísa que tem 15 anos lendo as nossas correspondências e ficando impressionada com a quantidade de textos escrito a mão e com muitas paginas.
É bom lembrar que ela nasceu e é da tal geração Z, as famosas nativas digitais, que não consegue entender o que é escrever uma carta e vive no mundo digital.
 
Bom a Luísa será assunto de uma outra carta.                                                                                                                                                      
Neste momento acabei de reler uma das nossas cartas, ela é de 07 de julho de 1993 entre outras coisas voce diz que os americanos não estão muitos satisfeitos com o novo presidente dos Estados Unidos, o Bill Clinton. Ironia do destino, hoje, 2021 os americanos continuam insatisfeitos e principalmente com o ex presidente Donald Trump, alias, li a biografia dele em 1989 e ja o conhecia muito bem.
Agora é esperar para ver como será a administração do novo presidente Joe Biden, mas parece que os problemas continuam os mesmos. 
Lá em 1993 você reclamava na carta e em muitas outras, das minhas alunas da FIAM, hoje entendo (riso) afinal das contas em 2004 casei com uma aluna da FIAM. kkkk
A Laura foi minha aluna no 3º ano do curso de jornalismo da turma de 2001, namoramos, noivamos e casamos em junho de 2004, em 22 de março de 2006 nasceu a Lúisa, nossa querida filha que é a minha maior felicidade.
Sempre adorei a FIAM e hoje continuo grato a ela, conquistei muitos amigos e amigas enquanto professor de telejornalismo e produção publicitária. Depois de 25 anos em sala de aula, sai em fevereiro de 2015.
Continuo trabalhando com Educação, crio e coordeno cursos de pós-graduação nas áreas de Marketing e Comunicação para diversas universidades. Voce também dizia que adorava as minhas poesias, vou retorna a escreve-las.
Essas cartas eram um momento de atualização, você em San Diego e eu aqui no Brasil, cada um contando o cotidiano com a visão de dois otimistas.
Vamos retomar essas conversas, afinal temos tantas coisas para escrevermos.
 
Um grande beijo.